Em discurso direto
We Blog
Sonae Communication

Resultados da Sonae em 2020 – Stronger Together

19 Março 2021
A Sonae anunciou, na manhã de 18 de março, os Resultados Consolidados de 2020 sob o mote "Stronger Together”, num evento digital para imprensa e para os colaboradores do grupo. A sessão, que contou com a CEO Cláudia Azevedo, o CDO João Günther Amaral e o CFO João Dolores, demonstrou o caminho que a empresa percorreu em 2020, com natural foco para os indicadores referentes a Pessoas, Planeta e, naturalmente, Financeiros.

Em destaque, algumas das declarações mais marcantes de cada um dos intervenientes.


Cláudia Azevedo, CEO

  • Temos muito orgulho no nosso ano. Foi um ano em que tudo foi impactado. (…) [Mas] esta crise teve algumas coisas boas: um número crescente de pessoas apercebeu-se que (…), sendo uma crise de desenvolvimento sustentável, nós tínhamos de fazer muito mais, senão íamos ter crises maiores. Não podemos ter um bom negócio num mau planeta. (…) Nós aqui na Sonae não duvidámos e estivemos sempre comprometidos com o nosso propósito, que são as pessoas e as comunidades. 
  • Criámos 1.183 postos de trabalho e também aumentámos muito o apoio à comunidade, cerca de 24% para 14 milhões de euros. Não temos dúvidas de que nós todos demos o nosso melhor para superar esta crise. Em Portugal, temos cerca de 43 mil colaboradores e a Sonae investiu, este ano, cerca 500 milhões de euros – subiu face ao ano passado. No ano em que nos podíamos ter retraído, nós decidimos que tínhamos condições para apostar no futuro. Desses 500 milhões de euros investidos, 470 milhões de euros foram em Portugal.
  • Tivemos avanços importantes este ano também provocados pela pandemia. Nós assinámos o acordo de Paris para a neutralidade carbónica em 2050, e este ano o que pensámos é que temos de fazer isto antes. Assumimos a responsabilidade pública da neutralidade carbónica das operações em 2040. Em 2020, na classificação mais importante e mais reconhecida em termos ambientais, a CDP, conseguimos o nível A, o mais alto possível, que apenas 3% das empresas no mundo alcançaram.
  • Temos mesmo de perceber porque é que perdemos tantas mulheres desde o início da carreira até CEO. Não é uma coisa da Sonae: as estatísticas são muito parecidas em todo o Mundo e nós temos mesmo de perceber porque é que isso acontece: não faz sentido não termos paridade.
  • A nossa missão, os nossos valores, ajudaram-nos muito. Soubemos desde o início, em março, qual era o nosso caminho. O de servir os portugueses em todas as plataformas - lojas e digitais - e superar todas as dificuldades que os portugueses tiveram, e este propósito conjunto foi muito importante para mantermos sempre o norte do que tínhamos de fazer nas nossas empresas.


João Günther Amaral, CDO

  • Tivemos de tomar decisões em elevadíssimo número e em altíssima velocidade, e para o fazer nada melhor do que sermos guiados por aquilo que nos é mais essencial: os nossos valores e a nossa clareza de propósito. Isto aconteceu num ambiente de incerteza enorme e de enorme complexidade. Estivemos, ao longo do ano, perante um conjunto de decisões muito difíceis.
  • E o que vivemos neste período foi espetacular. As nossas equipas deram a resposta esperada, houve uma resiliência incrível: as nossas pessoas foram muito resilientes no dia a dia e na adaptação a todas as dificuldades que foram surgindo, sempre com o ânimo necessário para cumprirmos a nossa missão. Vimos um reforço claro do compromisso mútuo: dos colaboradores com a Sonae e da Sonae com os colaboradores, e esta união e este reforço em que nos entreajudámos e nos demos ânimo mutuamente, sempre com o foco claríssimo nos nossos clientes.
  • "Ser Sonae” é ser parte de um conjunto de empresas que se entreajudam; é trabalhar num conjunto de empresas em que o todo é mais do que a soma de todas as partes. Conseguimos ajudar-nos mutuamente, reforçar-nos, aprendermos com as opiniões uns dos outros e com os impactos que uns e outros foram sofrendo ao longo do tempo e, dessa forma, a nossa adaptação foi ainda mais rápida.

João Dolores, CFO

  • No total, o volume de negócios consolidado do grupo subiu 6% para 6,8 mil milhões. Este é um crescimento de que muito nos orgulhamos, que traduz o esforço das nossas equipas, traduz o esforço dos nossos negócios, de continuar a servir e estar ao lado dos nossos clientes a oferecer aquilo que eles mais precisavam ao longo destes meses difíceis.
  • Nós, naturalmente, não fomos imunes a esta situação e, portanto, o resultado líquido do grupo acabou por diminuir para menos de metade, sobretudo devido aos custos extraordinários que tivemos com o controlo da pandemia. Desde custos adicionais em termos de medidas de segurança, prémios extraordinários para os nossos colaboradores, descontos concedidos em rendas imobiliárias, para além das várias provisões que fomos registando ao longo de 2020 também relacionadas com a pandemia.
  • Ainda assim, continuámos a investir e até investimos mais do que 2019. Em 2020 ultrapassámos os 500 milhões de euros de investimento total, o que demonstra bem a solidez financeira do grupo e a confiança que temos nas atuais estratégias dos nossos negócios. Continuámos a investir não só na melhoria das nossas propostas de valor e também na digitalização das nossas operações, mas ainda reforçámos a nossa posição na NOS e também na Salsa e continuámos a investir em empresas de base tecnológica na Sonae IM. E apesar deste forte nível de investimento, conseguimos reduzir, uma vez mais, a dívida do grupo, em cerca de 47 milhões de euros.